sábado, 21 de março de 2009

A Version of the Truth


O comentário estampado na capa do livro (que não apareceu aí na foto) define: "It's the Devil Wears Prada meets Walden Pond." Li o Diabo veste Prada quando o filme foi lançado. Walden Pond é o lugar que inspirou Thoreau a escrever Walden (o que seria de mim sem Google e Wikipedia), que não li. Walden, porém, é citado várias vezes em A Version of the Truth e, mesmo sem Google ou Wikipedia, descobrimos que a obra tem a ver com a natureza e o homem.

Há, de fato, um ponto em comum entre A Version of the Truth e The Devil Wears Prada. Ambos se baseiam na fábula do patinho feio que vira cisne. No entanto, a grande diferença que existe e que contribui para a superioridade de A Version of the Truth diz respeito à natureza da transformação que se opera em sua protagonista. A Cassie Shaw de A Version... se transforma de dentro para fora à medida que começa a investir em sua vida. A Andy Sachs de The Devil... se transmuta de fora para dentro ao trocar de visual e permitir que a insana rotina de trabalho dite sua vida.

O mais legal em Cassie Shaw é que ela é tudo o que sempre quis ser, mas sua baixa autoestima a impede de ver isso. Infelizmente, deixou os olhares e opiniões dos outros definirem sua imagem e chegou aos 30 correspondendo às expectativas dos terceiros em sua vida - expectativas que resultam em zero. Porém, a partir de um pequeno ato desonesto, Cassie desencadeia uma série de eventos que lhe permitirão descobrir o quanto é capaz.

O mais legal no livro é que as autoras, Jennifer Kaufman e Karen Mack, mantêm Cassie um ser falível mesmo quando a personagem está florescendo ou, em outras palavras, virando um cisne. Cassie segue em frente debatendo-se com a baixa autoestima e a autopiedade. E às vezes erra feio. Seu refúgio durante todo o livro e todas as crises se encontra na natureza que cerca sua casa.

Para mim, A Version of the Truth foi um ótimo passatempo. Gostei do senso de humor das autoras, de Cassie, do galã um pouquinho charmoso demais para ser real mas igualmente falível. É divertido ler uma obra contemporânea quando há referências ao nosso mundo. Ri ao ler o seguinte trecho:

"I take a two-minute shower and throw the clothes laid out last night - a plaid pleated skirt, a white blouse, a cardigan, a pair of Easy Spirit black loafers, and a leather purse I borrowed from my mother. I glance in the mirror. I look like I go to school with Harry Potter. But it's too late to change."

A sinopse da obra disponível no site é a seguinte:

Much like Eliza Doolittle in Pygmalion, Cassie has an unhappy past and is relegated to a life beneath her, but her spirit is uplifted in the outdoors. The eerie, ghostlike call of presumed extinct birds in a secret clearing, the sound of wind in the trees, the harmony of a world without people, all give Cassie a sense of calm. But everywhere else, life is tough. Her mother believes in Big Foot. Her wisecracking but beloved African Grey parrot is a drama queen. And at age thirty, a widow without a college degree, Cassie desperately needs to earn a living, which is why, against all her principles, she lies on her resumé for an office job at an elite university, making up facts about herself, creating the person she wants to be.

Her new boss is the magnetic Professor William Conner, an expert in animal behavior who recognizes the intelligence behind Cassie’s bogus resumé. Soon, under his charismatic tutelage, Cassie carefully begins her personal transformation, all the while still visiting her secret clearing and her strange, iconic birds. But her future is teetering on one unbearable truth, and Cassie’s masquerade is about to come undone--in a chain of events that will transform her life and the lives of those around her--forever.




3 comentários:

Maddie Anni Vercelli disse...

quero ler... ONTEM!!! Amey

Garota D disse...

Assisti o Diabo veste Prada e como já comentei outro post seu é sempre bom ver as pessoas substimadas darem a volta por cima. Se A version of the truth cair em minha mãos eu o lerei. Ultimamente tenho voltado aos clássicos tais como Médico e o Monstro e agora estou enfrentando "Do Espírito das leis" que comecei a ler em 2007... não vou terminar o curso de Direito sem lê-lo. :)
P.s. Obrigada pelo comentário
à minha resenha sobre Watchmen!
Beijos1

Maddie disse...

Preciso que vc adote uma campanha, passa lá no blog!!!!